Venda de veículos usados cai e de seminovos sobe | CelsoVeículos NH - Novos e Semi-Novos em Novo Hamburgo

Venda de veículos usados cai e de seminovos sobe

Venda de veículos usados cai e de seminovos sobe

A venda de veículos usados também começou o ano em queda: no 1º bimestre, foram negociados 1,46 milhão de autóveis, comerciais leves (picapes e furgões), caminhões e ônibus,  segundo a federação dos concessionários, a Fenabrave. O volume é 5,35% menor que o de janeiro e fevereiro de 2015, quando 1,54 milhão foram vendidos.O recuo, no entanto, é bem menor que o dos emplacamentos de veículos novos, que caíram 31,3% no ano, somando 392 mil unidades em janeiro e fevereiro.
GUIA PRÁTICO DO G1: VEJA DICAS SOBRE USADOS
De acordo com a entidade, 9 usados são negociados a cada 4 carros novos comercializados. O que a Fenabrave considera normal é a proporção de 3 para 1.
Vendas de usados por 'idade'
Dentro do universo dos carros usados, todas as "faixas etárias" tiveram menos vendas neste início de ano, na comparação com dados de 2015, exceto a dos seminovos, segundo a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto).
Apesar de as vendas de usados em geral terem caído, os emplacamentos dos que têm até 3 anos de uso, que são chamados de "usados seminovos", subiram 24,2% no bimestre --a Fenauto considera também as negociações de motos.
Eles foram a maioria dos usados negociados no período, somando 666,5 mil unidades.
Os seminovos já tinham fechado 2015 com 33% de alta nas vendas, totalizando 4 milhões de unidades negociadas, 1 milhão a mais do que no ano anterior.
O segundo grupo que mais vendeu no 1º bimestre foi o dos "usados jovens", com 4 a 8 anos, totalizando 637,8 mil unidades. O volume, no entanto, foi 14,6% menor do que em janeiro e fevereiro de 2015.
Também diminuiu a venda de "usados maduros", que têm de 9 a 12 anos: 214 mil unidades foram negociadas, 13,9% a menos do queno 1º bimestre do ano anterior.
As vendas dos "velhinhos", com 13 anos ou mais de uso, foram as que mais caíram (-16,5%), somando 366,5 mil unidades.
"Ainda não temos claras quais serão as perspectivas que irão nortear a nossa economia neste ano e, justamente por isso, temos essa percepção de que o consumidor ainda está muito cauteloso de assumir um financiamento com a compra de um veículo seminovo ou usado", diz Ilídio dos Santos, presidente da Fenauto.

FONTE: Globo